Notícia real e objetiva
Segundo vendedor ambulante, caso aconteceu na madrugada deste sábado (16) no bairro Nova República. Ele afirma ter sofrido agressões físicas e verbais durante a ação.

SANTAREM


Um ambulante que seguia para casa na madrugada deste sábado (16) em Santarém, oeste do Pará, afirma ter sido abordado por uma equipe do Grupo Tático Operacional (GTO) que fazia ronda no bairro Nova República. Segundo o vendedor, o que deveria ser apenas uma abordagem virou uma ação violenta, na qual os policiais além de terem levado a quantia de R$ 800, ainda o ameaçaram agredindo fisicamente e verbalmente.

A suposta vítima, que não quis ser identificada, relatou ao G1 que o fato aconteceu por volta das 5h na Avenida Tancredo Neves. Ele afirma que foi roubado pela equipe do GTO. “A revista já começou com xingamentos, ameaças e violência física. Eles me tiraram de dentro do meu carro e me encostaram em um muro de forma grosseira. Eu estou todo marcado. Eu disse que estava no 10º semestre de Direito e que não merecia ser tratado daquele jeito, mas eles responderam que já eram até formados, e que eu era um viadinho”, relatou.

Segundo a vítima, um dos policiais retirou o nome do uniforme e colocou na camisa do vendedor dizendo que o mesmo podia denunciá-lo. Na ação, ainda segundo relatos do vendedor alguns policiais revistaram o carro, e depois de irem embora a vítima percebeu que a renda das vendas da noite anterior tinha sumido.

O fato tomou proporção em redes sociais. O comandante do CPR 1 (Comando de Policiamento Regional 1), coronel Héldson Tomaso, disse que assim que soube da suposta abordagem ao vendedor ambulante informou imediatamente a Corregedoria da Polícia Militar – instituição a quem cabe apurar denúncias contra policiais militares, acerca de conduta indevida e abuso de autoridade.

“A Corregedoria vai apurar o tal fato de forma isenta, e os envolvidos serão com certeza chamados para depoimento. Mas antes disso será feito um levantamento prévio de quantos tipos de inquéritos serão abertos. Acho estranha essa situação. Nunca teve uma situação como essa aqui na região. Não podemos ainda acusar”, disse o coronel.

O comandante do Grupamento Tático Operacional (GTO) major Wilton Chaves, da Polícia Militar informou que tomou conhecimento do fato na tarde deste sábado e ressaltou que nenhum dos militares citados pela vítima estavam escalados na escala de trabalho de sexta para sábado. O major orientou ainda que a vítima vá à Corregedoria registrar o fato.

A vítima não registrou Boletim de Ocorrência, mas está analisando o que poderá ser feito para preservar a sua integridade física, pois segundo ela, foram graves as ameaças feitas pelos supostos agressores.

Blog do waldemir Santos

Info G1Santarem

Publicidade